DESVENDANDO OS MISTERIOS DA CALVÍCIE MASCULINA

DRA. LARISSA SANTICCHIO FERRAREZI FAIDIGA - Dermatologista - CRM 130866


  O cabelo não é fundamental para a sobrevivência orgânica do ser humano. No entanto, do ponto de vista estético-psicológico e social sua integridade reflete no padrão cultural vigente poderosa, auto estima tornando inseguros e infelizes aqueles que os perdem. A falta de cabelo tem representações internas que afetam a saúde global do indivíduo. Sendo assim, vemos com grande entusiasmo as pesquisas cada vez mais constantes e inovadoras nesta área, sobretudo pela conquista de medicações eficazes.

  A alopécia androgênica ou calvície masculina é uma manifestação fisiológica que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, não sendo considerada uma doença. A herança genética pode vir da família paterna, materna ou ambas. Pode iniciar-se na puberdade ou aos 20 ou 30 anos. Não existe cura, mas tratamentos recentes podem impedir temporariamente seu avanço acelerado.
  Áreas calvas começam a surgir, podendo ser localizadas ou totais.

O que fazer?

  Se você já tem algum grau de rarefação ou áreas calvas proeminentes, não se preocupe. É possível reverter este quadro!
  Quanto mais cedo a calvície é diagnosticada e tratada, melhores são as possibilidades de preservar os cabelos. O ideal é procurar um dermatologista para o diagnóstico e início do tratamento, o quanto antes.

Orientações ...

  Procure manter uma vida saudável e adotar uma alimentação rica em aminoácidos e proteínas; cobre, ferro, zinco, óleo de linhaça e complexo B; além da prática de exercícios físicos. Esses fatores contribuem para uma boa nutrição capilar e irrigação do couro cabeludo.

Mantenha a higiene: Lave a cabeça com frequência, utilizando xampus apropriados com fórmulas delicadas de pH neutro e sem sal, para remover a sujeira e o sebo em excesso sem alterar o pH do couro cabeludo.

Produtos: Procure usar produtos específicos para o seu tipo de cabelo.

Check-up: Periodicamente consulte um dermatologista para fazer uma avaliação dos fios e do couro cabeludo.

Hormônios: Faça exames regularmente para verificar os níveis de hormônio. Algumas doenças da tireoide podem causar queda de cabelo.

Produtos químicos: se for tingir, alisar ou enrolar os cabelos procure um bom cabeleireiro e siga à risca as recomendações do fabricante.

Medicamentos: verifique se o medicamento que você está usando (como pílulas anticoncepcionais, antidepressivos...) influencia na saúde dos cabelos.

Causas físicas: tenha muito cuidado ao pentear ou prender os cabelos. A tração excessiva pode causar queda.

Perguntas mais freqüentes

Deve-se lavar com água quente ou fria? Lavar a cabeça com água quente leva à calvície?

  A temperatura ideal é a temperada, a mesma do corpo. A água quente deve ser evitada nos fios oleosos, pois estimula a produção de sebo, e também nos ressecados, porque desidratá-los ainda mais. A fria as vezes resseca o couro cabeludo e no cabelo oleoso é mais difícil de remover o excesso de oleosidade.
  A água quente não causa a calvície. Este problema é causados por fatores genéticos e hormonais

O hábito de passar a mão no mesmo lugar provoca falhas?

  Sim. A tração arranca os fios. Quem reparte o cabelo sempre no mesmo lugar também apresenta o problema

Qual a melhor idade para a prevenção da calvície?

  Assim que os cabelos começam a cair! Nessa fase são feitos os tratamentos clínicos para desacelerar a queda.

Tratamentos   Há vinte anos atrás não havia uma medicação específica para a alopecia androgenética (calvície). Loções, poções, garrafadas, plantas, remédios caseiros e produtos “milagrosos “ eram usados na tentativa de resolver os casos de queda de cabelos. Hoje em dia existem medicamentos eficazes para o combate à calvície.

  Considero muito importante a consulta médica com o especialista para iniciar o tratamento com esta medicação. O paciente traz geralmente muitas dúvidas, fantasias e ansiedades antes de iniciar o mesmo. Para que a medicação seja eficaz é importante o entendimento do seu mecanismo de ação, os efeitos colaterais possíveis e que resultado pode-se esperar do tratamento.

TRATAMENTO TÓPICO (local)

Minoxidil: Esta substância é um vasodilatador usado por via oral no tratamento de hipertensão arterial, tendo a propriedade de induzir hipertricose em determinados pacientes. Desde então vem sendo utilizado topicamente em pacientes com alopecia androgênica, mostrando-se efetivo.

Complexos vitamínicos: Os aminoácidos e o complexo vitaminico (A, B1, B2, B6 e E) reforçam o cabelo desde a raiz, ajudando no processo de queratinização e como antioxidante, evitando o envelhecimento celular.

TRATAMENTO SISTÊMICO (oral):

Finasterida
  Indicação: homens com predisposição genética à calvície ou com queda em fase incial e intermediária dos cabelos.
  Duração do tratamento: Deve ser utililizado por tempo indeterminado ou conforme critério médico.
  Resultados: Começa a agir após dois meses de uso e os resultados podem ser percebidos com seis meses de tratamento. Assim que o uso é suspenso, o cabelo volta a cair. Não deve ser usado por mulheres grávidas ou que possam engravidar durante o seu uso.

Dutasterida: Embora esteja aprovada somente para tratar hiperplasia prostática, muitos dermatologistas têm usado ‘off label” nos EUA por se mostrar efetivo também na alopecia androgenética.

Complementos Nutricionais: São comumente associados ao tratamento base para ajudar na recuperação dos folículos.