DOR ABDOMINAL

Dr. Nelson Faidiga - Pediatra - CRM 30.765


Uma das queixas mais comuns que temos no consultório é a referente a DOR ABDOMINAL RECORRENTE.

Na abordagem diagnóstica temos inicialmente que excluir algumas causas que citarei sumariamente :

1 – ABDOMEN AGUDO
Neste quadro se encaixam as patologias cirúrgicas , principalmente a apendicite , diverticulite , hérnia encarcerada , invaginação intestinal e etc que exigem diagnóstico rápido e tratamento imediato . Quando uma mãe me liga , referindo que a criança está com dores abdominais intensas , oriento sempre que não de nenhum analgésico sem avaliação do médico , pois um simples analgésico pode mascarar a verdadeira causa da dor .

2 – CAUSAS EXTRA ABDOMINAIS
Muitas vezes temos infecções fora do abdômen como a pneumonia com derrame pleural ou uma simples amigdalite purulenta pode cursar com importante queixa de dor abdominal .

3 – CAUSAS ABDOMINAIS NÃO CIRURGICAS
Temos neste quadro as gastroenterites agudas , infecção urinária , cálculo renal pancreatite , hepatite , intolerância alimentar ( principalmente Leite de Vaca) etc .

4 – DOR ABDOMINAL RECORRENTE
Constitui a principal causa de dor abdominal .

Este quadro é de difícil abordagem em decorrência de seu caráter vago e subjetivo : A criança apresenta dor abdominal suficientemente forte para atrapalhar sua atividade habitual .

Geralmente a dor é difusa , peri umbilical e sem comprometimento do estado geral , sem perda de peso .

Após exame clínico minucioso e exames laboratoriais estabelecidos por um protocolo padrão (Hemograma/ VHS/ Urina 1/ Transaminases/ Pesquisa de doença Celiaca/ Pesquisa intolerancia ao leite de vaca/Albumina sérica, verifica-se que 90% a 95% dos casos não existe etiologia orgânica ou seja em apenas 5% a 10% dos casos existe uma causa orgânica bem definida .

Estes quadros devem ser acompanhados no consultório , buscando se abordar não apenas as características dos episódios dolorosos , mas também as fantasias dos familiares em relação às causas da dor .

Muitas vezes , para atender a ansiedade da família , realiza se uma investigação laboratorial exaustiva , desnecessária e muitas vezes iatrogênica .

É muito comum verificarmos crianças com dor abdominal associada a presença de algum tipo de dor crônica em algum familiar , problemas em sua rotina de vida , relações familiares conturbadas , nascimento de irmão , dificuldade escolar etc .

Quero lembrar que a grande maioria dos casos desaparece durante o acompanhamento clínico sem necessidade de outras medidas terapêuticas. Não quero dizer que devemos ser omissos e negligentes frente a uma criança com dor abdominal .

Acho que devemos analisar caso a caso , reservando exames mais sofisticados como tomografia e endoscopia para casos especiais .O acompanhamento clínico cauteloso se impõe , uma vez que tais quadros tem evolução bastante arrastada .